O pai que cada Deus é

voltar ao Blog
O pai que cada Deus é

O Pai que cada Deus é:

 

Um dos aspectos mais importantes vinculados ao masculino é indiscutivelmente a função Paterna.

Freud chegou a dizer “Não me lembro de nenhuma necessidade da infância tão grande quanto a necessidade da proteção de um PAI”.

Reconhecendo e honrando a importância do “PAI”,  compartilhamos com vocês este  pequeno artigo que comenta sobre os “jeitos diferentes” pelos quais os Deuses se expressam nos homens na relação com seus filhos!

Provavelmente, você vai se encontrar ou encontrar ao seu pai, em mais de uma descrição, visto que os Deuses se mesclam de formas únicas na psique de cada homem…

Você pode observar também que há aspectos e características que surgem como excelentes qualidades, mas que quando se tornam excessivamente ativas, transformam-se também em armadilhas e até no que poderíamos considerar “os grandes defeitos”. É bom saber que “recuperando a dosagem certa”, trazem de volta o efeito salutar da “boa qualidade”….

E, finalmente, não há uma forma “correta” e “única” de exercer o papel de Pai… Que possamos então, valorizar e validar a contribuição que cada um pode dar….

 

 

 

Zeus:

O Pai Zeus é o Pai Protetor e generoso.

Ele quer e deseja uma casa e uma família, neste sentido, em geral deseja também uma prole numerosa.

Deseja e pode ter muitos filhos, muitas vezes com diferentes mulheres.

É um “Fundador de dinastias”.

Excelente provedor.

Ajuda os filhos a progredirem no mundo e orgulha-se de lhes garantir o sustento.

É o mentor que orienta educação e carreira dos filhos.

Confia nos seus filhos e os valoriza, especialmente quando estes são “ Filhos orgulho do papai”

Pai que expressa e mantém claramente e naturalmente a sua autoridade. Mesmo quando distante ou fisicamente ausente, sustenta esta autoridade.

 

 

Armadilhas:

O Pai Zeus traz também aspectos destruidores e pode ser o pai sedutor ou incestuoso.

Seus julgamentos são poderosos e seus filhos tornam-se muito ansiosos pela sua aprovação.

Emocionalmente distante.

É um pai controlador e que impõe sua vontade sobre os outros, às vezes até determinando o que os descendentes devem fazer com a suas vidas mesmo depois de morto.

Vê os filhos como continuação de si mesmo e lhes nega autonomia.

Deseja que os seus filhos sejam obedientes e que excutem a sua vontade. Pode rejeitar um filho e ser duro e punitivo quando este contraria as suas decisões.

É capaz de maltratar os filhos. 

Sente-se traído quando um filho cria outros valores diferentes dos seus.

 

 

Poseidon:

 

 

A família é geralmente, o centro emocional da vida deste homem.

Para entender a emotividade que este Pai personifica, basta lembrarmos as potentes mudanças de condições do mar, com isto os seus filhos podem se sair muito bem ou muito mal.

O Pai Poseidon é acessível emocionalmente e dado a muitas demonstrações afetivas e físicas.

Tem uma feroz lealdade em relação aos filhos.

Pode ser para os filhos um modelo de homem forte que ri e chora.

Pai presente fisicamente e  também muito próximo emocionalmente. 

 

 

Armadilhas:

Descontrola-se emocionalmente e descarrega toda a sua fúria no lar (esposa e filhos).

Agressões emocionais e físicas.

Filhos traumatizados por seus ataques de ira, podem acovardar-se diante dele e mais tarde tornarem-se semelhantes em situações de comando.

Filhas de um Pai Poseidon podem tornar-se inexpressivas e submissas atraindo os desmandos dos homens.

 

 

 

Hades:

 

O homem Hades vive no interior de mundo todo seu e as outras pessoas, incluindo os filhos, geralmente vivem em outra parte.

Muitas vezes seus filhos podem sentir as emanações do seu afeto,  percebendo que ele é um pai amoroso, mesmo que ele não costume demonstrar.

Quando se aproxima, é mais fácil para ele estar com um filho de cada vez.

Incentiva leituras e o uso da imaginação, é bom conselheiro.

Compartilhar seu modo de perceber a vida, pode ser bastante valioso para os filhos, que se enriquecem com o tesouro do seu mundo interior.

Embora introspectivo, pode ser receptivo aquilo que os filhos lhe comunicam.

 

 

Armadilhas:

Emocionalmente retraído

Sombrio e sem bom humor, não sabe ajudar aos filhos a serem bem sucedidos no mundo.

Comunica-se pouco com os filhos e quando o faz, é através da esposa.   

Na sombra, pode também estar associado a pai incestuoso ou estuprador.

 

 

 

Apolo:

O homem Apolo é responsável e confiável. Geralmente é considerado um bom pai pelos seus filhos.

Tem comportamento consistente, coerente, justo e igualitário entre filhos e filhas.

Costuma estabelecer critérios que são compreensíveis e utilizá-los na educação dos filhos e gosta de ter metas e lemas para a vida.

Quando os filhos crescem, se compartilham os mesmos interesses, a convivência pode ser muito confortável e agradável.

Costuma acompanhar o que os filhos fazem e é atencioso com relação ao modo como eles se realizam no mundo, capaz de apoiá-los e percebê-los na realidade objetiva.

 

 

Armadilhas:

A distância é a dificuldade mais comum.

É muito difícil para este pai comunicar suas emoções, sobretudo, traduzindo-as em palavras.

O Pai Apolo se deixa absorver pela carreira e com isto não está muito presente para os filhos.

Deixa com a esposa a responsabilidade por criar os filhos.

Não é dado a demosntrações físicas de afeto e raramente toca os filhos fisicamente.

Pode decepcionar aos filhos que anseiam ser “vistos” além do que aparece superficialmente. Não sabe reconhecer os aspectos mais emocionais dos filhos; nem entende seus anseios e paixões.

 

 

 

Hermes:

 

O pai Hermes tem em geral uma atitude não paternal, comportando-se como um garoto.

Sabe como brincar com seus filhos. É boa companhia para sair com eles em aventuras.

Valoriza e estimula a imaginação.

Estimula os filhos a verem a vida como uma série de aventuras.

 

 

Armadilhas

Pai inadequado : O homem Hermes tem filhos, mas não é em geral psicologicamente adequado ao papel de pai.

Não constuma impor limites e nem se ater a eles.

Os filhos crescem acreditando que podem tudo e têm muitas dificuldades com disciplina,  entendem que dando desculpas ou contando mentiras podem encobrir comportamentos impulsivos, pois nestas práticas são facilmente compreendidos pelo Pai Hermes.

Permissividade: Os filhos podem tudo – não respeitam autoridade e não sabem o que é certo e errado

Deixa a cargo da mãe a criação dos filhos – Inconsistente – Ausente.

 

 

 

Ares:

 

Pai de muitos filhos. Gosta de crianças e deseja ter filhos.

Em geral seus filhos não são planejados.

O Pai Ares tem sentimentos intensos, é emocional e tem grande coração.

É protetor e defende os filhos.

Pai que se torna figura de grande proporção.

Oferece aos filhos pequenos a sensação de confiança.

Acompanha os filhos, os ensina a jogar, brinca de luta com eles. Ensina as filhas a dançar.

Generoso e amoroso.

 

 

Armadilhas:

Quando os filhos crescem, em geral surgem conflitos, especialmente se os filhos são introvertidos ou intelectuais.

Pai invasivo.

Quando contrariado torna-se colérico.

Diante das diferenças – Conflitos e dores afetivas.

Descarrega nos filhos seus sentimentos de rejeição adquiridos em outras áreas da vida.

Agressões e abusos de ordem física.

Pode ser pai ausente ou não ter a capacidade de cuidar de todos os filhos que gerou. 

 

 

Hefesto:

 

 

O fator decisivo para o Pai Hefesto é se ele se vincula à criança.

Quando esta ligação se dá, ela em geral torna-se um vínculo muito profundo e  visceral.

Gosta de ter os filhos por perto, mesmo que esteja fazendo uma outra atividade e não esteja brincando ou falando muito com eles.

Capaz de valorizar a confiança, auto estima e criatividade dos filhos, especialmente por lhes permitir aprender com o seu modo de fazer alguma coisa específica na sua experiência de trabalho e por demonstrar as  suas habilidades a eles.

 

 

Armadilhas:

Pai distante e facilmente irritável.

Tem expectativas impróprias para a idade dos filhos.

Sua comunicação raramente é aberta e explícita.

Pelas dificuldades deste pai em aceitar e se adaptar às mudanças, podem haver atritos com os filhos na adolescência e suas constantes novidades.

É muito individualista e introvertido para saber apoiar os filhos a progredirem na vida.

Quando enraivecido e controlador, sufoca a autonomia dos filhos e exige obediência, oprimindo-os e em especial a filhas que possuam comportamento mais dócil.

 

 

 

Dionísio:

 

Pai que se envolve com a gravidez e o parto, estando presente física e emocionalmente. Vincula-se no parto intensamente à esposa e à criança, podendo vivenciar o nascimento como uma experiência mística ou de êxtase.

Pai doméstico e muito próximo dos filhos.

O Pai Dionísio faz muito sucesso com as crianças.

Expressa uma alegria contagiante e pode ser muito brincalhão, encantando os filhos com esta presença.

Imaginativo e generoso.

 

 

Armadilhas:

Pode ser muito decepcionante quando faz promessas e as esquece ou não cumpre.

Confunde as crianças com a sua instabilidade e falta de compromisso.

Inconsistência e falta de confiabilidade aumentamno caso de se  tornar pai divorciado.

Não costuma ser bom provedor, disciplinador ou mentor para os filhos.

Não consegue oferecer um bom modelo de como se sair bem no mundo ou progredir na vida.

 

Marise Sampaio Dias.


newsletter

Digite seu e-mail para receber nossas atualizações