Desenvolvendo uma visão empreendedora com a ajuda de constelações sistêmicas

voltar ao Blog
Desenvolvendo uma visão empreendedora com a ajuda de constelações sistêmicas

Constelações Sistêmicas ou mais precisamente, a variação específica adaptada às questões empresariais e organizacionais que chamamos de Constelações de Gestão, podem ser uma ferramenta de gestão muito prática e eficiente.

Eu quero descrever uma das minhas últimas experiências. Aconteceu num kick-off anual de uma Agência de Comunicação.  O encontro foi planejado com a finalidade de ajudar toda a equipe a se sintonizar com os desafios e oportunidades do novo ano. Numa reunião de estratégia realizada antes, os três proprietários decidiram reorganizar a empresa em quatro Unidades de Negócios, cada uma focalizando em uma escala específica das necessidades de seus respectivos clientes. Agora era hora de preencher esta estrutura com idéias, projetos e objetivos, em outras palavras, para desenvolver a identidade precisa e estratégia precisa para cada divisão.

Decidimos basear o workshop em um modelo derivado da abordagem desenvolvida por Saras Sarasvathy.  O nosso modelo descreve o desenvolvimento de negócios como resultado da interação entre oito variáveis:

  1. Identidade: Quem somos nós? Quais são as nossas habilidades? Como os nossos clientes nos percebem? Como nós nos descrevemos? Etc.
  2. Produtos e serviços: O que nós fazemos? O que nós produzimos? Como nós produzimos?
  3. Parceiros: Com quem nós cooperamos? Quais são as capacidades deles? Como nós interagimos? O que nós precisamos e obtemos a partir deles? Etc.
  4. Clientes: Para quem estamos trabalhando? Quais são as necessidades que estamos satisfazendo? Como é o nosso relacionamento com eles?
  5. Novas oportunidades: O que mais poderia emergir da combinação desses elementos? Novas necessidades, novos clientes, novos produtos, novos parceiros, etc.
  6. Novos objetivos: Quais novos resultados queremos alcançar? Qual é o primeiro passo que queremos dar? Qual é o nosso sonho?
  7. Novos recursos:  O que mais nós precisamos para alcançar o objetivo? Que recursos que nós temos para desenvolver? Quais deles precisaremos obter de fora?
  8. Novos riscos: Quais são os riscos que nós estamos preparados para assumir? Qual a perda máxima que nós podemos e aceitamos ter?

Eu acredito que a abordagem da “Lógica do Efeito” reflete muito melhor como empreendedores pensam e se comportam diante dos modelos estratégicos clássicos. Empreendedores não concebem os seus objetivos tanto como variáveis fixas e independentes (como a maioria dos modelos de negócios assumem) mas eles os vêem mais como dependentes das oportunidades que surgem dinamicamente a partir de suas conexões com clientes e parceiros combinados com o potencial das suas organizações. Lidar bem com essas interdependências simultâneas é uma das habilidades que distingue empresários de outras pessoas. Mas não é fácil compartilhar estas acrobacias mentais com outras pessoas.

E aqui as constelações sistêmicas são muito úteis. Eles oferecem uma imagem em movimento dos mapas mentais do gerente. Interdependências podem ser vistas e percebidas instantaneamente e simultaneamente.

A seguir apresento as instruções que dei às quatro equipes que realizavam constelações ao mesmo tempo em quatro cantos da sala:

“Sua tarefa é desenvolver idéias para definir a estratégia para sua unidade de negócios.
Cada membro da equipe seleciona um dos oito conceitos que influenciam o desenvolvimento do seu negócio.
Encontre um lugar na sala que reflita a inter-relação com os outros aspectos de acordo com seu mapa mental da situação atual.
A partir dessa posição inicie um diálogo com seus colegas sobre como seu negócio poderia se desenvolver. Observe o que está ajudando e o que está dificultando o desenvolvimento.
Em seguida, mova-se para encontrar uma posição melhor e descrever precisamente o que este movimento poderia significar na realidade.”

Os gerentes se divertiram muito com este método novo e vieram com muitas percepções significativas e preciosas. Deixe-me relatar apenas algumas delas:

  • “Percebemos que estamos muito focados nas necessidades de nossos clientes atuais e nos serviços que desenvolvemos para satisfazê-los. Isso faz com que novas oportunidades fiquem completamente fora de vista. Nós temos que dar um passo atrás e olhar para a imagem maior (ampliar o contexto). Então nós temos que definir novos objetivos no mesmo nível que os que temos para nossos clientes atuais.”
  • “Somente quando não encontrei lugar na constelação para o conceito de risco, eu percebi que nós nunca considerámos seriamente os riscos que podemos pagar e os que queremos ter. Como resultado, os novos recursos que achamos que precisamos são demais para o nosso foco. Eles ficaram ainda mais perto do que nossos novos objetivos. Assim que os riscos surgiram, todo o sistema parecia mais equilibrado e poderoso”.
  • “Eu não tenho dúvida de que nossos objetivos estão na parte de trás. Nós sentimos este enorme impulso para ser os melhores do mercado. Lendo esta constelação, eu percebi, que isso também pode conduzir-nos para um esgotamento físico e mental (Burnout). Portanto tivemos a ideia de colocar alguns objetivos pessoais como saúde e família na frente. Ele se sente mais estável e mantendo toda a energia.”
  • “Nós sabíamos que nossa divisão depende muito da cooperação com as outras três unidades de negócio. Até agora, aceitamos o suporte deles. Na constelação, percebemos que temos que dedicar mais tempo à negociação de objetivos comuns. Somente quando os representantes de nossos parceiros analisaram o objetivo da mesma distância, sentimos que estava equilibrado.”

Muitos dos gestores concordaram que essas ideias não teriam emergido, ou pelo menos não tão rapidamente, em uma discussão clássica. Todo mundo ficou surpreso que a equipe tenha conseguido para compartilhar uma imagem comum tão rapidamente. Com base nesta imagem, foi posteriormente muito mais fácil descrever a estratégia em palavras e números.

O método de Constelações de Gestão, combinado com uma boa teoria de gestão, é uma das ferramentas mais poderosas que eu conheço.

 

Georg Senoner estará dando uma Formação em Gestão Inteligente em Salvador – Bahia

 

Georg Senoner
Consultoria em Gestão Sistêmica
www.sysmacon.com


newsletter

Digite seu e-mail para receber nossas atualizações