Princípios que induzem à confusão

voltar ao Blog
Princípios que induzem à confusão

Os chamados Princípios Sistêmicos de Pertencimento, Ordem e Equilíbrio entre dar e tomar são tema principal na maioria das formações em Constelações Organizacionais. Estes princípios se derivam da teoria de Bert Hellinger sobre as dinâmicas familiares e se adaptaram às organizações. Nos sistemas familiares têm um sentido claro. Nascemos em uma família e não podemos trocar os nossos pais e irmãos. Nem podemos mudar a ordem temporal em que chegamos a este mundo com todas as suas consequências. Por último, existe uma lei natural que governa o equilíbrio entre dar e tomar nas famílias: nunca podemos devolver a nossos pais o presente da vida e, se a relação de intercâmbio entre os membros de um casal se desequilibra demasiado, se arriscam a se separar. Não respeitar estes princípios pode provocar sérias consequências para nosso bem-estar.

A tentação de conceber uma organização como uma espécie de família é compreensível, uma vez que a nossa família é o primeiro tipo de organização que experimentamos em nossas vidas. No entanto, as estruturas das famílias e das organizações empresariais são radicalmente diferentes. Não levar essas diferenças em conta pode levar-nos a tirar conclusões erradas e tomar decisões imprudentes. O objetivo principal da família é criar e proteger a vida humana, enquanto o aspecto econômico é de importância secundária. O principal objetivo de uma organização empresarial é transformar matérias-primas em produtos e serviços. A vida das pessoas envolvidas é, sem dúvida, um aspecto importante, mas secundário, para o sucesso da empresa. Uma família prosperará quanto mais eles amam e cuidam de seus membros. Uma organização empresarial terá sucesso se organizar os seus processos para que produza bens e serviços valiosos de forma eficiente.

As pessoas decidem fazer parte ou sair de uma organização e também podem ser contratadas ou desligadas. Em organizações complexas há muitos níveis diferentes e parcialmente competitivos de ordem. As pessoas querem um salário justo pelo seu trabalho, mas elas também estão dispostas a investir hoje esperando um retorno no futuro, assumindo o risco de possível decepção. É obviamente bom para uma organização que os funcionários se sintam leais, que os vários níveis de ordem sejam transparentes e respeitados, e que os funcionários confiem que seu investimento é reconhecido. Mas estes não são de forma alguma os únicos fatores, e quase nunca os mais relevantes, para determinar o sucesso de uma organização ou a solução de uma situação problemática.

Por que eu acho que esses três princípios tendem a confundir um consultor em vez de ajudá-lo a fazer um bom trabalho?

1. Porque podem desviar, tanto o consultor como o cliente, de um enfoque sistêmico. Um dos principais objetivos do pensamento sistêmico é procurar múltiplas causas interligadas e conceber a causalidade como um processo circular. Focar-se previamente em um conjunto limitado de causas não é muito sistêmico.

2. Porque podem transmitir a ilusão de que uma constelação organizacional pode ser utilizada, compreender e resolver uma situação problemática, sem um profundo conhecimento da teoria e prática de gestão empresarial.

3. Porque o foco sobre esses princípios pode induzir um juízo moral, ao invés de uma indagação humilde, e levar o consultor a realizar intervenções que, de forma mais ou menos subliminar, dizem para o cliente o que é certo ou errado.

4. Porque eles poderiam desviar a atenção do consultor da questão real do cliente para sua própria visão sobre se a empresa poderia ter violado os princípios sistêmicos.

Estou totalmente convencido de que as constelações sistêmicas são um complemento extremamente poderoso a ser adicionado à caixa de ferramentas de um consultor, treinador, gerente, coach ou treinador. No entanto, a fim de garantir que esta metodologia seja aceite por uma comunidade mais ampla de profissionais, devemos adotar uma abordagem mais científica. Científico no sentido de submeter nossas suposições e conclusões ao teste de contestação. Em outras palavras, querendo saber, por um lado, se o que acreditamos é compatível com outras teorias que tentam explicar os mesmos fenômenos e, por outro lado, se pudermos encontrar evidências de que os resultados do nosso trabalho refletem nossas promessas e expectativas.

Eu sei por minha própria experiência que não é tão fácil liberar nossas crenças e expor-nos à sensação desconfortável de não saber. De fato, em nosso livro “Enacing Solutions”, publicado pela primeira vez em 2010, não ousamos omitir os princípios sistêmicos que aprendemos com Gunthard Weber e Matthias Varga von Kibéd, embora naquela época tivéssemos sérias dúvidas sobre sua aplicabilidade em um Contexto Empresarial. Encontrar maneiras alternativas de ler e conduzir constelações sistêmicas como uma ferramenta para o Coaching, a Consultoria ou o Treinamento nos levou a realizar muitas leituras, reflexões e conversas. As constelações ainda são uma prática relativamente jovem, com grande potencial para a sua evolução.

George Senoner. Escrito em julho 2016 para o IOCTI Uruguai

Participe em Salvador da Formação Internacional em Gestão Inteligente – Ferramentas Sistêmicas para Empresas e Organizações


newsletter

Digite seu e-mail para receber nossas atualizações